Novo

Argelia - 50 Anos De Independencia

145 reais

em 12x 13 reais con 83 centavos

Enviando normalmente

Envio para todo o país

Saiba os prazos de entrega e as formas de envio.

Estoque disponível

Garantia

Compra Garantida com o Mercado Pago

Receba o produto que está esperando ou devolvemos o seu dinheiro

Meios de pagamento

Boleto parcelado em até 12x

Mercado Crédito

Cartões de crédito

Pague em até 12x!

Mastercard
Hipercard
Elo
Visa

Cartões de débito

Mastercard Débito
Elo Debito
Visa Débito

Pix

Pix

Boleto bancário

Boleto

Características principais

MarcaAlfa-omega

Descrição

A Argélia é o maior país da África e uma encruzilhada de civilizações. Por lá passaram os fenícios, os romanos, os vândalos, os bizantinos e os turcos otomanos, e os colonialistas franceses pensaram que ficariam para sempre. Mas a naço conseguiu manter sua essência berbere e árabe, e conquistou sua independência em 1962, após uma guerra de libertaço de quase oito anos. No seu território nasceram, viveram ou ainda vivem personalidades como Santo Agostinho, um dos maiores pensadores da Igreja Católica e de todo o mundo ocidental; Lucius Apuleius, ou simplesmente Apuleio, o autor de O Asno de Ouro, considerado por muitos especialistas o primeiro romance do mundo; Ibn Khaldoun, o pai da Sociologia, que lá escreveu sua obra Prolegômenos; Leonardo Fibonacci, que levou à Europa os algarismos árabes e a notaço algébrica; Miguel de Cervantes y Saavedra, genial autor de Dom Quixote; o Emir Abdelkader, que dirigiu a resistência à invaso francesa de 1830, foi um sábio do Isl e morreu no exílio reverenciado até pelos monarcas europeus; o Prêmio Nobel de Literatura Albert Camus; os também escritores Jean Amrouche, Kateb Yacine e Mohamed Dib; artistas populares como o cantor Khaled; e figuras decisivas para a defesa dos interesses da África e de todos os países em desenvolvimento, como Ahmed Ben Bella, Houari Boumedienne e Abdelaziz Bouteflika. Os argelinos nunca conquistaram facilmente seus objetivos. Primeiro tiveram que vencer o poderoso exército da França para obter a independência, ao preço da morte de um milho e quinhentos mil compatriotas. Depois, a partir dos anos noventa, resistiram com sucesso à pior ofensiva terrorista da história, derrotando os grupos fundamentalistas inspirados na Al Qaeda de Bin Laden, hoje reduzidos a uma mínima expresso.